segunda-feira, 5 de janeiro de 2015

Capítulo 7 - Quase um encontro



Eu olhava impaciente para o relógio. Seis e meia. Ainda. Já tomei banho, treinei um pouco o controle do chakra da kyuubi, tirei minha bandana, limpei a parte metálica, coloquei no criado que fica ao lado da cama, limpei o retrato do time sete.

O time sete.

Será que o Sasuke se lembra que nós somos um time? Às vezes eu me pergunto se eu seria capaz de escolher entre salva-lo ou salvar Konoha. Isso é bobagem. Serei capaz de salva-lo e proteger Konoha ao mesmo tempo. É para isso que estou treinando arduamente.

Seis e cinqüenta e sete.

“Seis e cinqüenta e sete!?

Fiquei tão distraído que nem vi o tempo passar! Corri até o Ichiraku.

Achei que eu chegaria muito atrasado, mas quando eu cheguei só a Hinata tinha chegado.

“Ei, Hinata, o Shino e o Kiba não vieram ainda?

“Naruto-kun...Eles me disseram que viriam com você.

“Ah, tudo bem, vamos pedir alguma coisa, enquanto esperamos.

Entrei no Ichiraku e me sentei. A Hinata sentou-se do meu lado.

“Sejam bem vindos” O tio disse e se virou para mim.

“Sou eu, tio.

“Naruto, achei que você não viria hoje. Você sempre vem depois das missões, estava demorando para vir.

“O que você vai querer, Hinata? Hoje é tudo por minha conta!

“Hã...o mesmo que você.

“Você trouxe sua namorada?” O tio perguntou.

Olhei para a Hinata ao mesmo tempo em que ela olhava para mim. Fiquei meio vermelho pelo que ele tinha dito. Cocei a cabeça e ri.

“Ah, não é nada disso. Estamos comemorando o sucesso da missão.

Pelo canto dos olhos eu a observei. Isso até que se parece com um encontro.

“Qual sabor você vai querer hoje, Naruto?” Perguntou.

“O de porco. Capricha, hein.” Eu disse animado, com água na boca. “E o mesmo para a Hinata, né?

“Sim.” Ela respondeu.

Comi bastante, como sempre. Dei um tapinha no meu estômago.

“Ai, ai. Eu tô cheio.

Ela comeu só uma tigela de rámen.

“Come mais, Hinata. Você comeu tão pouquinho.

“Eu já estou satisfeita.

“Acho que os outros não vêm mesmo.

“Será que...” Ela não terminou a frase.

“Será que o quê?

“Nada.

“Fala, Hinata.

Ela hesitou um pouco.

“Fizeram de propósito.

“O que?

“Não...vieram.

“Ora, e porque eles fariam isso?

Seu rosto corou violentamente e ela olhou para a tigela de rámen.

Demorei uns instantes para entender. É verdade. Eles podem ter “dado um bolo” em nós, para que eu e a Hinata ficássemos sozinhos. Porque ela gosta de mim. E estando só nós dois, isso se tornaria um encontro. O que eles esperavam que acontecesse? Seja o que for, ela está muito sem jeito, por ter percebido isso. Ela não se sente bem nessa situação, por isso vou fingir que não entendi e vou mudar de assunto.

“Bom, acho que é hora de ir embora. Hinata, quer que eu te leve até sua casa? Ou quer dar uma voltinha antes?” Eu não estava com a mínima vontade de ficar sozinho no meu quarto. Não tenho nada para fazer.

“Vamos...caminhar um pouco.

“OK!” Falei animado.


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Obrigada por ler!

Seja educado
Deixe seu link para que eu possa visitá-lo
Sinta-se livre para compartilhar as postagens, mas dê os devidos créditos

Até a próxima!


Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
 renata massa